Anotações de um não poliglota — 16 agosto 2013

Utilizando as construções locativas em suaíli

16 agosto 2013 (07:29:33)
O suaíli situa as coisas de uma maneira que é muito estranha para falantes dos idiomas europeus modernos. Ele utiliza um sistema de classe de substantivos típico da família bantu para realizar isto (para aqueles que desconhecem isto, deve bastar saber que é como quando os substantivos possuem gêneros, exceto que existem muito mais classes do que os gêneros e que elas são marcadas por um prefixo).

Um exemplo simples mostra como o suaíli pode utilizar uma preposição, como em um idioma europeu:
Os donos sentam na outra casa. Wenyewe wanakukaa katika nyumba nyingine.

“Katika” está sendo utilizado aqui da mesma forma que “na”, e “nyumba” não necessita mudar em nenhuma forma. Esta é a classe N (classe 9) e, portanto, o adjetivo está a modificando.

Entretanto, se não existe um adjetivo diretamente modificando o objeto da preposição, a forma normal para expressar isto seria com um locativo. O suaíli forma locativos regularmente, ao adicionar um sufixo -ni ao substantivo. Devido a tônica ser na penúltima sílaba como regra (pelo menos no suaíli coloquial), a tônica deve se mover uma sílaba para baixo considerando que a palavra está se tornando muito grande.

Assim não precisamos mais de um preposição:
Os donos sentam na casa. Wenyewe wanakukaa nyumbani.

É assim que vários outros idiomas que declinam os seus substantivos utilizam os locativos; por exemplo, em latim esta frase poderia ser expressada como “Possessores domi sedent.”

Entretanto, existe um algo que os estudantes de suaíli precisam tomar cuidado. Uma vez que o sufixo –ni for adicionado, a classe original do substantivo que a palavra pertencia é irrelevante. “Nyumba” está na classe N, mas “nyumbani” não está. Agora a classe do substantivo dele depende em qual tipo de locativo ele está.

O suaíli possui três classes de substantivos para locativos: a classe Pa (classe 16), a classe Ku (classe 17) e a classe Mu (classe 18). Geralmente estes são os prefixos utilizados, entretanto ku- e mu- podem se tornar kw- e mw- antes de uma vogal em certas posições, e mu- pode perder a sua vogal antes de certas raízes de verbos.
  • A classe Pa é para coisas que são definitivamente conhecidas por estar em um local específico.
  • A classe Ku é para coisas que não são conhecidas por estar em um local específico.
  • A classe Mu é para coisas dentro de uma certa outra coisa.

Isto é útil quando você quer descrever o substantivo que está no locativo, por exemplo, utilizando a partícula “–a”, que significa “de”, "do", "da" e deve concordar com o substantivo a que é possesso.

Por exemplo, e se você quiser distinguir a casa que os donos estão sentados? Nós talvez utilizaremos “-a kwanza”, que literalmente significa “do começo” e é utilizado para significar “primeiro”.
Os donos sentam na primeira casa. Wenyewe wanakukaa nyumbani mwa kwanza.

Aqui, “nyumbani” é considerado de ser da classe Mu porque os donos estão dentro dela. Se eles estivessem indo até ela, eles estariam se movimentando e você não saberia a localização específica deles. Então, "nyumbani” estaria na classe Ku:
Os donos andaram para a primeira casa. Wenyewe walikwenda nyumbani kwa kwanza.

É preciso tomar cuidado para não utilizar muito a classe Mu. Nós dizemos “Ela mora no Quênia”, mas um falante de suaíli não consideraria este o uso para alguém verdadeiramente dentro do Quênia e utilizaria a classe Pa ao invés, para dar a ideia de que ela está localizada onde o Quênia é localizado.

Nos exemplos acima, os donos foram descritos como se estivessem sentados na casa, mas talvez o orador simplesmente sabe que eles estão dentro da casa, mas não sabe se eles estão sentados de fato. É também possível que o orador queira omitir esta informação, porque pode ser irrelevante se os donos estão sentados ou de pé.

Você pode resolver este problema ao utilizar as classes de substantivos locativos (Pa, Ku e Mu) como prefixos dos verbos, para fazer um locativo como o sujeito de um verbo. Por exemplo:
Existem donos na casa. Nyumbani mna wenyewe.

A tradução literal disto seria: Na casa há donos. (“Mna” é o verbo –na, significando “ter”, mais uma forma curta do prefixo mu-.) Esta é a forma mais idiomática e concisa de situar os donos.

Os locativos do suaíli pode ser difíceis de serem utilizados corretamente e às vezes parecem confusos, mas eles são uma característica interessante do idioma e necessários para as conversas do cotidiano.